Sergio Vilela é eleito o primeiro latino-americano com cargo de diretor na WCF, e Brasil tem dois nomeados para comitês da IBSF

12 de setembro de 2022

Sergio Vilela agora é diretor da WCF (Foto: Celine Stucki / WCF)

O fim de semana foi de boas notícias para o desporto no gelo brasileiro. O diretor de curling da Confederação Brasileira de Desportos no Gelo (CBDG), Sergio Mitsuo Vilela, assumiu cargo de direção na World Curling Federation (WCF) neste domingo. O brasileiro passa a ser o primeiro latino-americano a ser diretor na principal entidade do esporte no mundo. Em outra conquista nacional, dias antes, Emílio Strapasson e Joe Cechinni tiveram os ingressos aprovados para os postos de integrantes, respectivamente, do conselho de desenvolvimento e do comitê esportivo de skeleton, da Federação Internacional de Bobsled e Skeleton (IBSF).

Vilela foi eleito como um dos novos diretores da WCF durante o congresso anual da federação, ocorrido em Lausanne, na Suíça. “A minha campanha e o meu compromisso são de trabalhar para tornar a Federação ainda mais inclusiva e sustentável”, disse. “Quero me engajar com os mais jovens, tornar os atletas juniores em mundiais embaixadores e participantes de um órgão consultivo, por exemplo. E equilibrar a visão de crescer no esporte.” Além dele, o encontro escolheu também o norte-americano Beau Welling como novo presidente do órgão.

Sergio foi apresentado à modalidade em 2010, durante o Jogos de Inverno de Vancouver. O brasileiro teve o primeiro contato com o jogo alguns meses depois e, desde então, não parou de praticar, sendo o atual terceiro lugar do torneio de duplas mistas e campeão por equipes do Campeonato Brasileiro de Curling. Antes de assumir cargo na direção da WCF, foi membro de dois conselhos dentro da entidade.

Bobsled e skeleton
Emilio Strapasson e Joe Cechinni foram escolhidos dentre 100 inscrições para as vagas nos comitês da IBSF. O primeiro é ex-presidente da CBDG e ex–atleta de skeleton. Esta é a segunda vez que é nomeado para o comitê. Já Joe é italiano e participou como atleta da modalidade dos Jogos Olímpicos de Inverno PyeongChang 2018.

“Os nomes, meu e do Joe, aceitos para o comitê refletem, para mim, o resultado do trabalho sério que a gente vem desenvolvendo nos últimos quatro anos. E a Nicole é um case de sucesso da IBSF porque ela teve um dos crescimentos mais rápidos que já se teve notícia na modalidade. Em menos de quatro anos saiu de aprender para ser uma das melhores pilotos do mundo. Isso mostra que a gente tem um trabalho sério, que é referência, e por isso meu nome foi levado em consideração para levar a visão de países que não são europeus para dentro da IBSF. Para ajudar novos países a entrarem no esporte e também desenvolverem o caminho. Não adianta só entrar, mas também o papel do comitê de desenvolvimento é ajudar quem entrou a mudar de patamar”, disse Emilio.

Confira o depoimento completo de Sergio Vilela

“Sabe aquela sensação de ficar com medo de se beliscar e descobrir que ainda está sonhando? Estou assim desde que meu nome foi chamado para receber a medalha de “Diretor” da então Presidente Kate Caithness, sob forte aplauso dos representantes dos mais de 74 países membros da Federação Mundial de Curling.

Tudo o que ocorreu desde então (foto oficial, entrevistas e a primeira reunião da Diretoria) só foram contribuindo para este misto de orgulho e de humildade, sabendo que estou quebrando paradigmas como o primeiro latino americano no Board da WCF.

A minha campanha e o meu compromisso é de trabalhar para tornar a Federação ainda mais inclusiva e sustentável.

Quero engajar com os mais jovens (já recebi varias sugestões, como TikTok oficial, tornar os atletas juniores em mundiais embaixadores e participantes de um órgão consultivo, por exemplo) e equilibrar a visão de crescer o esporte de maneira sustentável (novas tecnologias de refrigeração e hubs regionais, como a Arena Ice Brasil servindo de centro de treinamento para os países vizinhos até que eles atinjam massa crítica, por exemplo).

Termino o meu mandato de Diretor de Curling na CBDG com a sensação de dever cumprido e tenho certeza que o Ricardo Losso vai fazer um bom trabalho de maneira que, muito em breve, o Brasil vai não apenas conquistar as tão sonhadas vagas olímpicas e paralimpicas, mas chegar para disputar medalha.”

Recomendados:

13/09/2022

Brasil volta mais forte após Junior Grand Prix na Letônia

País foi representado por Maria Joaquina Cavalcanti Reikdal e pela dupla Catharina Tibau e Cayden Dawson

Twitter
Facebook

Ler mais

12/09/2022

Sergio Vilela é eleito o primeiro latino-americano com cargo de diretor na WCF, e Brasil tem dois nomeados para comitês da IBSF

Novidades mostram a força e desenvolvimento do desporto no gelo do país

Twitter
Facebook

Ler mais

09/09/2022

Catharina e Cayden somam bons pontos na Dança Rítmica em etapa do Junior Grand Prix

Dupla que representa o Brasil ficou na 11ª posição e volta a se apresentar no sábado

Twitter
Facebook

Ler mais