Presidente da CBDG, Matheus Figueiredo fala sobre evolução do Brasil nos desportos no gelo

8 de fevereiro de 2022

Matheus Figueiredo, presidente da CBDG (Foto: Alexandre Castello Branco/COB)

Foi um longo desafio. Primeiro, em busca de espaço. Depois, de afirmação. Mas hoje, 20 anos após a primeira aparição em Jogos Olímpicos de Inverno, é possível dizer que a Confederação Brasileira de Desportos no Gelo (CBDG) luta por mais com suas duas modalidades presentes em Pequim-2022: por que não entre os melhores do mundo do bobsled e skeleton?

Não é exagero sonhar. Até porque a realidade mostra o quanto evoluiu o desporto no gelo do Brasil. Durante o ciclo olímpico, por exemplo, Nicole Silveira, do skeleton, amealhou resultados expressivos em nível mundial: foi campeã absoluta da Copa América (com cinco de cinco etapas conquistadas) e três vezes medalhista na Copa Intercontinental (um ouro e dois bronzes).

Mas como foi possível chegar neste nível? Para o presidente da CBDG, Matheus Figueiredo, a explicação está no que foi construído quase dez anos atrás. “Mais do que um trabalho administrativo, é um trabalho de planejamento. E a Confederação tem que se desenvolver como um todo: desenvolver a parte administrativa, financeira, de organização, desenvolvimento de recursos, humanos e de estrutura. Há oito anos, realizamos um planejamento estratégico e estava nesse planejamento o desenvolvimento de todos esses pilares, que passam por ter mais estruturas para práticas e parcerias com centros de treinamentos fora e dentro do Brasil para que os atletas tenham acesso a ambientes mais qualificados para realizarem seus treinamentos e avaliações”, explica.

Foto: Girts Kehris / IBSF

Figueiredo compara o trabalho de desenvolvimento da Confederação ao próprio skeleton e bobsled. Da mesma forma que ambas modalidades premiam aqueles que melhor conseguem se destacar num somatório de detalhes, o desenvolvimento de vários pilares é o que permite à Confederação chegar aos Jogos Olímpicos de Pequim em boas condições. “É isso que a gente tem tentado fazer e vem fazendo ao longo dos últimos anos, quando tivemos um crescimento gigantesco. Agora, já temos planejamento estratégico para os próximos ciclos, para continuar este desenvolvimento”, diz.

Numa avaliação específica sobre o Brasil nas provas do bobsled e do skeleton nos Jogos, o presidente é otimista. E é a palavra maturidade que melhor resume o sentimento de Matheus em relação aos atletas.

“A Nicole teve uma evolução fabulosa especialmente na última temporada e ela está com uma maturidade muito grande. Ela sabe onde é forte, onde tem os pontos fracos que precisam ser corrigidos, e a gente está trabalhando isso com toda equipe. A expectativa é que ela consiga competir de forma forte, buscando estar entre as 10 melhores atletas da competição. É possível”, comenta.

Foto: Alexandre Castello Branco/COB

Em relação ao bobsled, avalia: “O bobsled chega com muita maturidade. Temos bons equipamentos, boas lâminas, a equipe está fisicamente muito bem treinada, o Edson (Bindilatti) tem muita experiência na pilotagem e acredito em boa performance do time. Sabemos que o bobsled de modo geral aumentou muito sua competitividade. As equipes evoluíram muito em termos de performance. Três, quatro ciclos atrás quem performava era metade dos times nos Jogos Olímpicos. Hoje, é diferente. Todos times classificados estão em alto nível de performance. Tanto que equipes famosas não conseguiram nem se classificar. Está muito competitivo e vamos precisar de um trabalho muito bem feito para conseguir uma boa colocação.”

Fotos: Ricardo Bufolin / Panamerica Press / CBDG

A primeira modalidade da CBDG a entrar em cena nos Jogos Olímpicos será o skeleton. Na quinta-feira (10), Nicole Silveira fará a primeira descida da história do skeleton brasileiro em Jogos Olímpicos a partir das 22h30 (de Brasília). O bobsled entra em cena a partir do dia 14, com o 2-man.

Recomendados:

13/09/2022

Brasil volta mais forte após Junior Grand Prix na Letônia

País foi representado por Maria Joaquina Cavalcanti Reikdal e pela dupla Catharina Tibau e Cayden Dawson

Twitter
Facebook

Ler mais

12/09/2022

Sergio Vilela é eleito o primeiro latino-americano com cargo de diretor na WCF, e Brasil tem dois nomeados para comitês da IBSF

Novidades mostram a força e desenvolvimento do desporto no gelo do país

Twitter
Facebook

Ler mais

09/09/2022

Catharina e Cayden somam bons pontos na Dança Rítmica em etapa do Junior Grand Prix

Dupla que representa o Brasil ficou na 11ª posição e volta a se apresentar no sábado

Twitter
Facebook

Ler mais